Dicas de como fazer sua gestão financeira

Conseguir administrar o valor que você recebe por mês de salário, suas dívidas, os seus empréstimos e outras transações que são realizadas ao longo do mês não é uma tarefa simples. 

Para a grande maioria das pessoas, principalmente no Brasil, que existe uma cultura consumista muito maior, a Educação Financeira é uma disciplina que devia ser primordial no processo de educação das escolas. 

Mesmo aqueles que possuem uma facilidade um pouco maior para realizar a sua gestão financeira, o pensamento errado onde gestão financeira é saber ganhar dinheiro é bastante comum, e para deixar claro, não são sinônimos. 

A gestão financeira tem como principal objetivo manter a economia familiar saudável sem riscos ou prejuízos em decorrência da crise ou qualquer outro problema que possa aparecer no meio do caminho. 

Entendendo o conceito de gestão financeira pessoal

Podemos entender como gestão financeira pessoal o processo de análise, planejamento e a tomada de decisão no que se refere ao controle do seu orçamento mensal. 

Uma gestão financeira saudável é aquela que possui um equilíbrio entre a sua despesa e a sua receita. 

É importante dizer que não existe ninguém que tenha conseguido ficar rico gastando mais do que recebe, logo é necessário ter o controle das suas entradas (ganhos), e essencialmente as saídas (gastos), para que você terminar o mês sem problemas, como costumamos dizer, no azul. 

Tenha em mente que uma boa gestão financeira não visa ganhos maiores, mas sim a distribuição correta dos recursos, e principalmente a forma em que você gasta o seu dinheiro. 

Gestão financeira: como realizá-la de forma eficiente?

Para que você consiga ter um resultado positivo na gestão financeira, é preciso levar em conta todos os gastos que são realizados, inclusive aqueles que parecem ser pequenos, como um lanche, um cinema ou algo desse tipo. 

Logo, é importante que você trace um plano que seja eficaz para que você consiga ter uma avaliação realista de quais são os gastos importantes e aqueles que são desnecessários. 

Inicie seu processo de avaliação com as suas despesas totais e o seu rendimento mensal, onde será necessário conferir todos os ganhos e quais são os gastos, até mesmo o cafezinho no final da tarde e a cerveja do final de semana também devem entrar na conta das despesas. 

Identifique todas as despesas que são importantes, como: água, luz, telefone, internet, tv a cabo, transporte e refeições. Feito isso, está na hora de separar as despesas que você possui a médio e longo prazo, como: empréstimos e parcelamentos. Por fim, identifique todas as despesas com lazer. 

Dessa forma, você vai conseguir encontrar as despesas que não são importantes e aquelas que podem ser controladas, assim consegue uma boa visibilidade do que precisa ser feito. A partir desse momento, você precisa conseguir abrir todas as suas possibilidades. 

Comece depositando uma quantia fixa mensal em uma aplicável rentável, antigamente a poupança era a melhor opção, porém os tempos mudaram, por isso é necessário buscar uma outra forma de rendimento mensal. 

Avalie a possibilidade de ter um seguro de vida, busca a quitação das suas dívidas atrasadas e negocie seus créditos. Essas são algumas medidas que são necessárias para que você consiga equilibrar seu orçamento. 

A grande sacada de uma gestão financeira eficiente é você conseguir identificar quais são suas despesas e quais são as áreas que necessitam de um suporte um pouco maior. 

Se precisar de ajuda para algo não programado, procure separar uma pequena reserva para a reforma, seja para a troca de um carro ou da sua casa. Você ainda pode realizar essa reserva para investir em um curso para seu crescimento pessoal. 

Dicas para realizar a sua gestão financeira pessoal

Para que você consiga se organizar de uma forma mais prática, separamos algumas dicas essenciais para que você comece hoje mesmo a melhorar a sua saúde financeira, confira a seguir: 

  1. Controle de todos os gastos
  2. Estabeleça metas e prioridades
  3. Controle seus impulsos e reveja seus gastos extras 
  4. Planeje os investimentos
  5. Use com sabedoria o cartão de crédito

1 – Controle de todos os gastos

Pode parecer uma dica clichê, mas é a mais eficiente. Você precisa anotar todo e qualquer gasto com compras e boletos pagos, inclusive aquele pãozinho com café antes de entrar no seu emprego. Você pode colocar em uma planilha simples com campos que discriminam os gastos, com data e valor, é importante que essa planilha esteja com você durante o dia, pode ser diretamente no celular ou um aplicativo. 

Esse controle pode fazer com que você descubra algo que você ainda não tinha percebido, que são as pequenas coisas que estão levando seu dinheiro embora. Importante que sua planilha seja organizada por mês para que você consiga comparar com os meses anteriores e ter noção quando os gastos ultrapassem um determinado limite. 

Tenha em mente que o objetivo principal dessa planilha de controle mensal é que seja possível monitorar todos os gastos, identificando quais são os possíveis pontos de corte dentro do seu orçamento, e outro ponto que está precisando de uma atenção especial, como dívidas atrasadas. 

2 – Estabeleça metas e prioridades

Para que todo o seu esforço em criar e preencher sua planilha realmente faça sentido, você precisa estabelecer seus objetivos de forma clara, visando a economia que deseja realizar dentro do seu orçamento. 

As metas precisam ser estabelecidas de forma coerente com a sua situação financeira, onde você precisa ser determinado para eliminar gastos que não são essenciais. 

As metas que serão estabelecidas precisam ter um limite para redução, por exemplo, desejo reduzir 10% das despesas não essenciais no primeiro mês, no segundo, essa meta pode subir para 15% até alcançar o limite esperado para que suas contas fiquem equilibradas. 

Não tente reduzir já no primeiro mês, pois uma mudança brusca pode não ajudar a conter os impulsos consumistas. 

3 – Controle seus impulsos e reveja seus gastos extras

É importante conseguir o controle do impulso de compras, principalmente quando não precisa de um item, como é o caso de roupas, sapatos, bolsas e outros mimos que não são necessários naquele momento. 

Após um breve período de reflexão chegou o momento de você avaliar se a compra daquele item realmente se encaixa dentro do seu planejamento. Nesse momento, você já consegue identificar quais suas despesas supérfluas. 

4 -Planeje os investimentos: 

Agora que você identificou quais são os gastos desnecessários, está na hora de dar um novo passo à uma gestão financeira eficiente, estamos falando do investimento. Com todo o planejamento realizado, no final do mês está sobrando um dinheiro, com todas as contas pagas e tudo em dia, o que fazer? 

Você precisa investir esse dinheiro, em fundos de investimentos, tesouro direto ou outro recurso para que seja possível fazer aquele dinheiro ter algum tipo de retorno. Você pode até pensar em garantir sua aposentadoria. 

A poupança é um dos métodos mais procurados, porém ela rende bem pouquinho e não tem sido a melhor opção para quem está em busca de rendimentos. 

5 – Use com sabedoria o cartão de crédito

Um dos maiores causadores de inadimplência no Brasil é o cartão de crédito, pois ele costuma conceder uma falsa sensação de dinheiro, e levando muita gente para a armadilha dos juros intermináveis. Por isso, ele precisa ser utilizado com sabedoria e muita estratégia, ele pode ser bem interessante se houver um programa de descontos ou milhas associadas ao seu uso. 

Agora, só falta você colocar que foi aprendido em prática. Aqui no nosso portal, sempre damos dicas de como cuidar da sua saúde financeira. Por meio de pequenas mudanças você consegue aos poucos construir sua liberdade financeira.

Compartilhe:

Envie sua mensagem e ligamos para você.

Formulário específico para quem deseja uma Vida Financeira Abundante e Próspera.




 

Fale Conosco

(11) 96220.1823


Suporte ao Aluno:

(11) 93024.0660
[email protected]

Mapa do Site

© 2016 Instituto Coaching Financeiro. Todos os direitos reservados.

Top