Quais os riscos você pode correr ao investir no tesouro direto?

foto de bandeira do Brasil com moeda
O Tesouro Direto é um programa de investimento para pessoas que desejam comprar títulos públicos federais de forma segura e com baixo custo.

Se dedicar ao Tesouro Direto é uma possibilidade que já passou pela mente de qualquer investidor em potencial. Este é um programa de negociação de títulos públicos federais em que o pequeno investidor empresta dinheiro para o governo. Como o governo é a própria garantia, isso torna o Tesouro Direto o investimento de menor risco no país. Entretanto, pouco risco não significa nenhum, e é importante ficar atento a eles.

O risco ao investir no Tesouro Direto é pequeno diz respeito ao risco de calote. Porém, isso não significa que o investimento não seja afetado pelas variações na economia — que são incontroláveis. Na verdade, em tempos de crise, é quase certo que essas variações aconteçam significativamente.

Essas mudanças econômicas podem até não ser um problema para o investidor, caso ele tenha total certeza de que irá resgatar o título na data exata de vencimento. Porém, se por qualquer motivo for necessário fazer a venda do papel antes do vencimento, a rentabilidade pode não ser a mesma esperada no ato do investimento.

Como funciona o Tesouro Direto?

Imagine o seguinte exemplo: você realiza a compra de um título de longo prazo, com vencimento em 2040. Você estará comprando com base em uma determinada rentabilidade prometida a ser recebida em 2040. Entretanto, em algum momento antes do vencimento, você fica em apuros e precisa do dinheiro, sendo obrigado a vender o título imediatamente. Só que, ao fazer isso, o seu título fica sujeito às volatilidades do mercado, que mudam diariamente. Ou seja, o valor do seu título depende de como está a taxa básica de juros, chamada Taxa Selic.

Isso significa que é possível ganhar até mais do que o esperado, caso o momento econômico esteja favorável, mas também é possível perder. Por isso, entre os riscos do Tesouro Direto, o maior deles está na venda antecipada de títulos, e pode não ser viável para o investidor que não tem garantia de poder esperar até o vencimento.

O risco de crédito do Tesouro Direto também pode existir, ainda que mínimo. Isso porque simplesmente não há como negar absolutamente o risco de calote do governo. Para que isso aconteça, porém, o Brasil teria que entrar em uma crise muito mais extrema do que a que já vimos, e o calote seria consequência de um colapso total no sistema financeiro brasileiro.

Outro risco do Tesouro Direto que vale mencionar é o fato de que o sistema pode ficar suspenso por algum tempo quando há um excesso de variações nas taxas de juros dos títulos públicos. É uma questão de algumas horas, mas significa que não dá para comprar ou vender naquele momento específico.

Imagem: © Depositphotos.com / baurka

Compartilhe:

Envie sua mensagem e ligamos para você.

Formulário específico para quem deseja uma Vida Financeira Abundante e Próspera.




 

Fale Conosco

(11) 9 61107847

(21) 9 69389672

(11) 3230-2238

Mapa do Site

© 2016 Instituto Coaching Financeiro. Todos os direitos reservados.
Top